28 Maio, 2020

FENATRACOOP E SINTRACOOP – PR DÃO INICIO AS NEGOCIAÇÕES COLETIVAS COM FECOOPAR

Nesta quarta-feira (27/05) a comissão de negociação coletiva da Fenatracoop esteve em Curitiba para a primeira reunião referente a Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) entre a entidade laboral e a patronal. Na oportunidade, os representantes dos trabalhadores Anderson de Castro Souza e Marisa Madureira acompanhados pelo assessor jurídico da Fenatracoop/Sintracoop Dr. Maurilio Viana reuniram-se com os representantes patronais Dr. Anderson Eugenio Lechechem e Carlos Roberto Gonçalves na sede da Federação e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná - Fecoopar onde foi apresentado formalmente o rol de reivindicações unificado aprovado em assembleia da Fenatracoop no dia 11 de maio. “Os itens que aprovamos na reunião nacional do nosso rol nós apresentamos para a Fecoopar para darmos início as tratativas, já que a nossa data-base é primeiro de junho e os trabalhadores já começam a esperar pelo reajuste”, afirmou o diretor de negociações coletivas da Fenatracoop, Anderson Castro. 

Entre os pontos discutidos na reunião estão os índices econômicos como reajuste de 12%, piso salarial de R$2100,00 e a implantação do cartão múltiplo Fenatracoop/Vivipay. Além dos itens de saúde e segurança no trabalho com um plano de enfrentamento da pandemia de coronavirus nas cooperativas, as medidas de proteção e prevenção aos trabalhadores que em sua maioria são de atividades essenciais, como a produção de alimentos. “Apontamos o que tem sido feito pelo sindicato desde o mês de fevereiro, quando o presidente Mauri começou a alertar as cooperativas que o vírus estava chegando no Brasil, montamos uma comissão para monitorar e orientar os trabalhadores e as cooperativas com relação a prevenção. Mostramos que o sindicato desde o inicio tem se preocupado com a saúde dos trabalhadores e tem tomado as medidas de forma planejada”, explicou Marisa Madureira.

Como é de praxe na primeira reunião, a comissão de negociação solicitou a garantia de data-base, ou seja, mesmo que as negociações perdurem por algum tempo, os trabalhadores receberão o reajuste retroativo ao mês de junho. Além disso, a Fenatracoop requereu ao sindicato patronal o comum acordo, caso seja necessário o ajuizamento das negociações através do Dissidio Coletivo de Trabalho. “Nós vamos para as próximas reuniões após o retorno de Fecoopar sobre o nosso rol e também pela garantia da data-base e o comum acordo, que é a nossa primeira exigência para dar andamento as tratativas. Caso contrario vamos pedir o auxílio do Ministério Publico do Trabalho (MPT) através da Coordenadoria Nacional de Promoção da Liberdade Sindical – CONALIS, a mediação das negociações. Estamos aguardando até segunda-feira um retorno do sindicato patronal para vermos como será o andamento das negociações, esperamos que tudo corra dentro da normalidade e que seja uma boa convenção para todos”, esclareceu o presidente da Fenatracoop e do Sintracoop, Mauri Viana Pereira. 

Veja também